Ontem, hoje e amanhã!

Retratos do dia a dia!

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Crónica de Uma Viagem

As árvores fogem-me aos olhos O casario branco perde-se no olhar A fronteira afasta-nos no caminho No amarelo das giestas, vejo o teu olhar A seara colhida, passa despercebida ao rebanho que pasta Montes, vales, pontes, albufeiras, água, verdura que não mata a sede, que em meu peito perdura. Uma caleche de noivado, passa mesmo a meu lado Neva para lá do horizonte e eu, continuo caminhando para lá de ti. A lava do vulcão inexistente imaginado no olhar de quem passa enegreceu o meu sentir Mas eu quero, e vou prosseguir. Voltas e reviravoltas, curvas e contracurvas e os caminhos se afastam. Ao longe um barco, desliza no mar A praia solitária, acolhe os pescadores furtivos. Cruzes e tabuletas ladeiam o percurso Hortas e hortinhas acompanham-nos O cheiro do queijo nos montes de soja, entranha-se Castelos, rios, vinhedos e gado Tudo nos acompanha. O sol e a lua entre florestas e flores fazem parte dos dias e das noites que passam. As nuvens emaranham-se deslizando ao compasso do nosso caminho. Mortos e vivos, nos adros das igrejas cruzando sua Fé Mais trocas e baldrocas, Segues tu, ou sigo eu?! E a distância se encurta, no alongamento dos dias. Telhados de colmo, protegem da brancura da neve que cai De quando, em quando, as nuvens choram O sol esconde-se tristonho mas, depressa ressurge alegrando os viajantes. Imagens que não se captam, captadas num simples olhar que ficam retidas na retina de quem as olha. Quedas, sobressaltos, risos fotografados. Cruzeiros e cruzes com Jesus, acompanham-nos. Homens beijando homens Mulheres amando-se entre si Alegres, felizes, drogados, pelados caminharam lado a lado, lutando pelo seu lugar no mundo. Ao longe um moinho surge, ao olhar ávido do passeante Póneis e cavalos nas pastagens viçosas aguardam ser montados pelas moças airosas. Queijos replectos de apetite, para quem os olha e deseja Mais canais, pontes e lagos Flores nas ruas e janelas E nós, perdendo-nos no destino. As ruas quase adormecidas, passeiam-se entre canais floridos Patas, protegem suas crias com fervor, mães que sabem dar amor. Sai um, sai o outro, saem todos, voltam a entrar, ninguém se entende, e, ainda falta muito a visitar. Cafés a quilómetros de euros Fazes xixi a pagar, e se banho quiseres tomar, também pagas. A pedra bate nos vidros, tentando nos assustar mas nós, resistentes, insistimos em caminhar. Meninas apelativas, desafiam os olhares indiscretos outras, grosseiras e sem formas, também se mostram na montra dos horrores. A chuva insiste, persiste, prende-nos os passos E o frio desagasalha-nos os corpos cansados. Caminhamos a pé, à chuva e ao frio que afinal não metem medo a ninguém. Já no metro e a caminho whitw people, black people, quase sexo e bebedeira podiam ter dado asneira. No barco tentamos ultrapassar os pingos grossos que caem e fotografar as maravilhas que se defrontam aos olhos. Aí, o fotografo falha, a chuva é mais forte e resiste. Catedrais onde os nossos olhos se perdem Na grandiosidade dos vitrais que as contornam Na beleza das imagens que as adornam Nos claustros, nos pilares, nos entrelaçados Nas magníficas relíquias do passado. Andamos por todo o lado. Os verdes e os azuis cruzam-se entre o céu, o mar e a terra. Risos, gargalhadas, almoços e jantaradas fortalecem os laços da amizade. Sobe-se e desce-se, desce-se e sobe-se Travões travados e destravados E continuamos a caminhada, entre a neve que cai e a outra além bem branquinha, quase parece um filme mas é a realidade que o nosso olhar deslumbra. Entre oui e yes, muitos sim encontrámos Como é bom nosso Portugal partilharmos. Compras e mais compras, lembranças e mais lembranças E o eurito se gasta, vão-se as poupanças. Não faz mal, é só desta vez. Será? Talvez! O tempo urge, há que regressar Já? Agora que estava pronta a continuar. Mais uma noite, mais um dia, mais um parque E, o almoço de despedida aconteceu No olhar já se via a saudade No coração, a recordação de uma boa amizade. Beijinhos e abraços apertados apartaram-nos no caminho. Adeus até à próxima! Maria Antonieta Oliveira Viagem a partir de Sta. Justa até Amesterdão e vice-versa. Entre os dias 11-05-2013 e 01-06-2013 Intervenientes: - Maria Antonieta Oliveira - Victor Manuel Oliveira - Natália Nuno - António Teles - Helena Inácio - Joaquim Inácio

Sem comentários:

Enviar um comentário